sexta-feira , 12 julho 2024
Home / Destaque / Exploração de parques catarinenses
Foto: Adrio Centeno/IMA

Exploração de parques catarinenses

Na última semana, durante entrevista para a Coluna, o Secretário do Meio Ambiente e da Economia Verde de Santa Catarina, Ricardo Guidi, já havia adiantado sobre a possibilidade de parcerias público privadas para a manutenção e exploração consciente dos parques catarinenses.

“Santa Catarina tem também parques belíssimos e precisamos voltar nosso olhar para o cuidado da nossa flora e fauna, então, vamos procurar desenvolver parcerias público-privadas para que a gente possa aproveitar toda essa beleza que a natureza nos proporciona, desenvolver o turismo, gerar emprego, gerar renda. A gente só cuida daquilo que conhece, por isso queremos criar uma consciência ecológica nas pessoas”, disse.

Agora, o governo do Estado acaba de autorizar a concessão do Parque Estadual da Serra Furada para a exploração de atrativos turísticos naquela área, que abrange os municípios de Grão-Pará e Orleans e tem cerca de 1,3 mil hectares. Em decreto publicado na última sexta-feira (11), o Governo do Estado definiu o prazo de 30 anos para que a iniciativa privada promova atividades de ecoturismo e visitação, além dos serviços de gestão e operação dos atrativos já existentes e dos que ainda serão implantados.

A licitação será na modalidade de concorrência e a data de lançamento do edital ainda deve ser definida. Vencerá a proposta economicamente mais vantajosa, considerando o maior valor de outorga a ser pago ao Estado (o valor mínimo será detalhado no edital). Com pouca infraestrutura, o parque atualmente não tem registro de visitação nem controle de acesso nas portarias Sul ou Norte. Entre as medidas a serem tomadas, a iniciativa privada deverá providenciar a construção e instalação de centro de visitantes, restaurante, realizar adequações nas trilhas existentes, mirantes, orquidário, implementar atividades de arvorismo, tirolesa e observatório astronômico. A receita operacional será totalmente revertida em benefício da comunidade.
Ótima iniciativa, ganha a comunidade, ganha o Estado.

 

Foto: Mauricio Vieira / Secom

Escolas Cívico-Familiares

Não é surpresa que Jorginho Mello (PL) irá manter em Santa Catarina o programa das escolas cívico-militares, que será suspenso a partir do ano que vem pelo Governo Federal. E, ao que tudo indica, a Secretaria de Estado de Educação (SED) já está se mobilizando para lançar um novo projeto, com o nome de Escolas Cívico-Familiares, para se adequar ao modelo do governo, que objetiva aproximar as famílias do dia a dia das escolas. Os detalhes ainda estão sendo discutidos, mas a ideia é usar militares da reserva para atuarem nas escolas, o que já acontece hoje, mas que é custeado pelo Governo Federal. Inicialmente, serão mantidas as nove escolas cívico-militares que já existem no Estado, de acordo com informações da SED.

 

SCGÁS

Nesta semana, os colaboradores da SCGÁS participaram da palestra “As formas de assédio nas relações de trabalho e a sua prevenção”, ministrada pela Drª Elizete Lanzoni no auditório do Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina. A programação faz parte da Semana Interna de Prevenção de Acidentes e Assédio no Trabalho (SIPAT), que acontece entre os dias 14 e 18 deste mês, com o objetivo de promover a saúde e a segurança dos colaboradores da concessionária.

 

Audiência Pública

Foi aprovado esta semana na Alesc o requerimento para a realização de uma audiência pública para debater dois projetos que tratam das alterações na cobrança previdenciária para os servidores públicos estaduais inativos e pensionistas. O primeiro prevê o fim do desconto previdenciário para quem recebe abaixo do teto do INSS, atualmente em R$ 7.507. Já o outro, de iniciativa popular, determina que a contribuição seja calculada sobre a parcela dos proventos e das pensões por morte que supere o limite máximo estabelecido para os benefícios do Regime Geral de Previdência Social. Atualmente a alíquota cobrada dos servidores é de 14% sobre o salário de contribuição.

 

Porto de Imbituba

A equipe da SCPAR Porto de Imbituba esteve na sede do Instituto Nacional de Pesquisas Hidroviárias (INPH), no Rio de Janeiro, para tratar sobre o projeto de manutenção e reforço do molhe de abrigo do complexo portuário. O recurso para recuperação desta infraestrutura, estimado em R$ 100 milhões, entrou na lista dos investimentos a serem realizados pelo governo federal no Novo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), anunciado na última semana.

 

Produção e Edição: ADI/SC Jornalista Celina Sales
com colaboração de Cláudia Carpes.
Contato: peloestado@gmail.com

Sobre Daniella Schneider

Veja Também

Pré-candidatos do PSD na cola de Bolsonaro

A certeza de uma eleição bem sucedida após uma foto com o cabo eleitoral de ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.