domingo , 25 fevereiro 2024
Home / Destaque / SC tem candidato mais rico do Brasil: Antídio Lunelli que concorre a deputado estadual
Crédito Ascom TRE-SC/Divulgação

SC tem candidato mais rico do Brasil: Antídio Lunelli que concorre a deputado estadual

O candidato a governador em Santa Catarina com maior patrimônio declarado à Justiça Eleitoral é o ex-deputado federal e empresário Jorge Boeira (PDT), com R$ 7,4 milhões. Com o candidato a vice Dr. Dalmo Claro de Oliveira, que soma R$ 10,9 milhões, fazem a dobradinha mais endinheirada dessas eleições.

Udo Döhler (MDB), que concorre a vice na chapa do governador Carlos Moisés à reeleição, é o que apresenta maior patrimônio individual entre os candidatos à majoritária, com R$ 15,1 milhões, maiores valores em aplicações e quotas. Isso que desbancou na convenção do MDB o candidato mais rico do Brasil. Sim, Antídio Lunelli, que vai disputar uma das 40 vagas de deputado estadual pelo MDB, declarou R$ 390 milhões. É disparado o concorrente mais rico do país.

Dos 156 candidatos a governo em todo Brasil, por exemplo, que somam juntos R$ 1,1 bilhão em bens, o que tem maior patrimônio é o gaúcho Roberto Argenta, empresário do ramo calçadista, com R$ 372,9 milhões. Ainda assim atrás de Antídio Lunelli. Em apenas dois anos, quando reelegeu-se prefeito de Jaraguá do Sul, Lunelli aumentou seu patrimônio em quase R$ 40 milhões. De 2016 pra cá, quando concorreu pela primeira vez, seus bens aumentaram em R$ 110 milhões.

Nascido no meio rural, em Corupá, Lunelli tem ensino médio e fez fortuna no setor têxtil e de moda, comanda rádios, frigoríficos, empresas de mineração e terraplanagem. É dessas empresas que vem a maior parte do seu patrimônio R$ 329 milhões, além de outros R$ 43 milhões em fundos de renda fixa.

O governador Carlos Moisés (Republicanos) tinha patrimônio de R$ 1,83 milhão em 2018 e hoje de R$ 2 milhões.
Com o financiamento público de campanhas, parece que vai mudando o papel dos endinheirados nas campanhas. Antes, era clássico que financiadores fossem candidatos a suplente de senador, por exemplo. Hoje, vagas de vice ou suplentes têm sido ocupadas com apelos mais políticos, identitários por gênero ou etnia e até geográficos, para ampliar o alcance da chapa.

Foto: Ivete Appel da Silveira (MDB)/Arquivo pessoal/Divulgação

 

Senadora catarinense

Ivete Appel da Silveira (MDB), viúva do governador Luiz Henrique, será senadora da República pelos próximos três meses a partir do dia 24 de agosto. Feliz com o gesto do senador Jorginho Mello (PL) de licenciar-se para lhe permitir a experiência, Ivete segue nos próximos dias para Brasília. “Muito honrada, vou a Brasília ver como posso ajudar. Meu plano é dar continuidade ao mandato de Jorginho com prioridade aos temas da saúde, como a rede hospitalar catarinense”, adiantou a suplente. Nascida em Brusque, Dona Ivete, como era chamada por Luiz Henrique, nunca exerceu mandato, mas sempre esteve atenta no bastidor. Na foto, com as amigas Albertina Tuma e Sarah Mello. Esta última é do círculo de amigos que participou inclusive da primeira viagem internacional de LHS no governo, em 2003.

De olho

A cortesia do senador Jorginho Mello com MDB mira os votos de partidários que não seguiriam com Celso Maldaner, diriam os interesseiros. Ele tem duas chances, aliás, com Ivete no Senado e com Moacir Sopelsa no governo. Nesse último caso, o PL acaba se beneficiando também, porque assume a presidência da Alesc com Maurício Eskudlark. Jorginho foi eleito senador em 2018 com apoio do MDB que, na ocasião, ficou com a candidatura de Mauro Mariani ao governo pelo meio do caminho. Mas de lá pra cá, Dário Berger deixou a sigla e também se habilita ao voto dissidente, se houver.

Patrimônio

Décio Lima (PT) declarou R$ 1,4 milhão em imóveis e participações societárias, sua finalmente confirmada candidata a vice, Bia Vargas (PSB) R$ 32 mil. O senador Esperidião Amin (PP) tem patrimônio de R$ 2,8 milhões, principalmente em imóveis e veículos, e o candidato a vice Dalírio Beber (PSDB) R$ 5,4 milhões, com maior volume em aplicações financeiras. O senador Jorginho Mello (PL) declarou patrimônio de R$ 2,4 milhões e a candidata a vice, delegada Marilisa Boehm, R$ 939 mil. Odair Tramontin, do Novo, tem patrimônio de R$ 6,8 milhões e Ricardo Althoff, candidato a vice, de R$ 922 mil.

Homenagem

Todo ano, o Crea-SC distingue profissionais, empresas, entidades de classe e instituições de ensino com destaque nas áreas de engenharia e agronomia. Pois a temporada de indicações para a medalha do mérito e inscrições no Livro do Mérito Catarinense está aberta até 10 de outubro. As indicações de pessoa física ou jurídica são feitas por meio de formulário apropriado pelo endereço merito@crea-sc.org.br.

Desafio diversidade

(Foto Dário e Margareth: Divulgação)

Com o senador Dário Berger, candidato à reeleição, no evento Pacto pela Paz, sábado em Floripa, Margareth Hernandes (PSB) assumiu o desafio de ampliar a representatividade de mulheres, negros e LGBTQIA+ na Alesc. Entende que a legislação e a atuação da segurança pública são importantes, mas considera urgente a criação de políticas sociais efetivas com foco na educação e no esclarecimento das pessoas. Tornou-se advogada aos 44 anos e, hoje, aos 62, é a primeira advogada catarinense a presidir a Comissão Especial da Diversidade Sexual e Gênero da OAB Nacional e exerce o quarto mandato consecutivo como presidente da Comissão de Direito Homoafetivo e de Gênero da OAB-SC.

 

 

 

Produção e edição
ADI/SC jornalista Adriana Baldissarelli (MTb 6153) com colaboração de Cláudia Carpes. Contato peloestado@gmail.com

Sobre Daniella Schneider

Veja Também

Motos terão espaço prioritário em semáforo da avenida Getúlio Vargas com a São Pedro

A Diretoria de Segurança Pública da Prefeitura de Chapecó informa a todos os cidadãos que ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.