sábado , 24 fevereiro 2024
Home / Esportes / Preparador físico fala sobre logística de trabalho com a chegada de novos atletas
Foto: Tiago Meneghini/ACF

Preparador físico fala sobre logística de trabalho com a chegada de novos atletas

Pré-temporada curta, calendário apertado e chegada de novos atletas com níveis físicos diferentes dos demais. São muitos os desafios que cercam o trabalho do departamento de preparação física ao longo da temporada. Márcio Corrêa, preparador físico da Chapecoense, completa 30 anos de profissão em junho deste ano. O profissional já passou por grandes clubes brasileiros como Grêmio, Internacional e Athletico Paranaense, além de equipes do exterior como Cerro Porteño-PAR, Belenenses-POR e Al-Shabab-ARA. Márcio conversou com a reportagem e falou um pouco sobre o seu trabalho no clube.

Como é a rotina de controle, monitoramento e individualização do treino?

“Quando o atleta chega ao clube, ele passa pela pesagem, logo responde um questionário relacionado à recuperação, ao sono e ao bem estar. Os que sentem algum desconforto muscular serão direcionados ao setor de fisiologia e se submetem a uma avaliação termográfica (câmera que fotografa a parte interna do músculo, demonstrando o nível de calor de cada região específica, o que na maioria das vezes justifica a extensão do desconforto muscular). Logo após essa avaliação, o atleta passa por outro equipamento chamado simplex (mini laboratório portátil utilizado para a avaliação bioquímica, que a partir da coleta de uma gota de sangue, em alguns minutos saberemos o nível do dano muscular que esse atleta apresenta e se o desconforto está mais, ou menos relacionado a grandeza dos marcadores). Dentro do treinamento, o perfeito não existe, até porque a biologia e as adaptações que cada atleta obteve ao longo da carreira, proporcionam um ‘mapa’ de respostas e desempenho único”.

Como trabalhar de maneira adequada no futebol, tendo em vista a falta de tempo adequado para o desenvolvimento ideal das equipes?

“Realmente o tempo é um dos fatores determinantes para o trabalho, pois as células corporais precisam de estímulos de treinamento adequados. Alimentação e intervalos para que as respostas aos gestos técnicos e as funções fisiológicas melhorem também são importantes. A realidade do calendário do futebol brasileiro nos proporciona um ‘quebra-cabeça’ na hora de prescrever o treinamento. Muitas vezes temos 30 jogadores em nosso plantel, mas alguns atuaram 100% na temporada anterior, uns estão chegando da base, outros foram reservas em suas respectivas equipes e também tem aqueles que estão retornando de lesões ou voltando do exterior, com calendários diferentes e dependendo do país, há uma diferença no nível técnico e físico do futebol”.

Como é feita a seleção de atletas pelo departamento e como adaptar todos a uma resposta satisfatória aos jogos? 

“Um detalhe que soma muito na contratação de atletas é a observação sobre os históricos de lesões, o tempo de prática na modalidade e o quanto competiram na temporada anterior. Dependendo do padrão em que tudo isso ocorreu, há uma grande influência nas futuras temporadas, podendo ou não atrasar a preparação do atleta. Experiência dentro das competições que a equipe disputará também é um fator importante. Lógico que o que predomina diante de todos esses fatores são as capacidades técnicas e cognitivas, isso normalmente é o fator que determina a seleção para uma contratação”.

Como minimizar e ajustar os pontos divergentes em relação aos atletas que chegam ao clube e precisam buscar uma condição de desempenho melhor? 

“Desde que cheguei ao clube, em janeiro deste ano, buscamos organizar junto a todos os setores um processo, como se fosse um raio-x. Antes de iniciar qualquer programa de treinamento para futebol, precisamos saber se o jogador está apto a receber as cargas que o levarão a adaptações futuras. Após todas as avaliações médicas (cardiológicas e de saúde), o processo segue através de uma análise onde buscamos conhecer os itens básicos sobre lesões, saúde, nutrição, tempo de participação em jogos, tempo de afastamento, etc. Ao final do protocolo, temos a leitura da parte cognitiva do atleta, o que também é muito importante para o discernimento intelectual e o entendimento da parte teórica exigida no trabalho. Após essa primeira etapa, temos as avaliações funcionais onde o setor de fisioterapia colabora ao identificar previamente possíveis fatores de riscos relacionados a mecânica dos movimentos, déficit de forma muscular e detalhes sobre a postura corporal, que são informações importantíssimas para que o preparador físico elabore a execução das cargas e confeccione o treinamento com maior segurança em busca das metas propostas. O técnico sempre fica a par de todos os detalhes sobre controle e avaliações, pois a tática e a estratégia precisam respeitar os parâmetros iniciais da condição fisiológica para a definir as suas metas da semana. Além disso, sempre ao final ou no início de cada atividade, através das leituras das avaliações, o treinamento é reciclado e direcionado à novas metas.  Essa ação de flexibilização de acordo com as respostas individuais dos atletas, auxilia na diminuição de lesões e desgastes desnecessários. O conhecimento e a experiência dos profissionais que conduzem o trabalho são determinantes para a boa conduta”.

Como você avalia o seu trabalho na Chapecoense até aqui?

“Estou muito feliz com o ambiente da Chapecoense e aos poucos estamos buscando modernizar todos os departamentos que auxiliam no desempenho dos atletas. Há um esforço conjunto por parte da diretoria e de todos os setores para dar as melhores condições possíveis de trabalho. Diretoria, preparação física, fisiologia, nutrição, fisioterapia e a medicina, trabalham de forma transdisciplinar para que o clube cresça cada vez mais e alcance patamares maiores”.

Fonte: Assessoria/ACF

Sobre Daniella Schneider

Veja Também

Campeonato Sul-Brasileiro de Motonáutica reúne mais de cinco mil pessoas no Goio-Ên

Mais de cinco mil pessoas prestigiaram o Campeonato Sul-Brasileiro de Motonáutica, realizado neste final de ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.