sexta-feira , 19 abril 2024
Home / Saúde / Chapecó apresenta estudo mostrando 240% menos óbitos em quem fez tratamento contra a Covid
Foto: Leandro Schmidt/PMC

Chapecó apresenta estudo mostrando 240% menos óbitos em quem fez tratamento contra a Covid

 

Um estudo realizado pela Unoesc de Xanxerê mostrou que os pacientes que fizeram tratamento contra a Covid tiveram 240% menos óbitos, dos que não realizaram nenhum tratamento.

Os dados foram apresentados na manhã desta quarta-feira, em reunião do Comitê Municipal de Enfrentamento à Covid, realizado no auditório da Prefeitura. De acordo com a professora Marcilei Maccari, que foi uma das responsáveis pelo estudo “Avaliação das Estratégias de Combate à Pandemia da Covid no Município de Chapecó-SC”, foram analisados prontuários de 13 mil pacientes, no período de 1º de janeiro de 2021 e 18 de outubro de 2021.

De 5.551 pacientes que receberam tratamento, foram 73 óbitos e os demais recuperados. Dos 8005 pacientes não tratados, os óbitos foram 273. Ou seja, de um total de 346 óbitos, 79% foram de não tratados e, 21%, de quem fez tratamento.

De acordo com o estudo, o índice de óbito entre os não tratados foi de 3,41% e, entre os tratados, 1,42%. “O estudo apontou que a probabilidade de óbito foi menor entre os que foram tratados, comparativamente aos não tratados”, disse Marcilei Maccari. Também participaram do estudo os professores Cristian Alex Dalla Vecchia, Simone Silveira e Saulo Jorge Téo.

O médico Diego Bet, que foi um dos coordenadores do Ambulatório de Tratamento Imediato Verdão, destacou que Chapecó foi atingida fortemente por uma das cepas mais mortais da Covid, a P1. Uma das ações foi capacitar os médicos com materiais e estudos, para que pudesse atender seus pacientes com mais segurança.

“No Ambulatório nós realizávamos os testes, fazíamos a consulta e disponibilizávamos gratuitamente os medicamentos que já tinham evidências e estudos de que poderiam funcionar no tratamento. Mas cada médico tinha a liberdade de dar para seu paciente o que considerava melhor para cada caso. Ninguém era obrigado a prescrever tratamento”, explicou.

Entre os remédios disponibilizados estavam cloroquina, hidroxicloroquina, vitamina D, invermectina, zinco, antibióticos e corticosteróides.

O prefeito de Chapecó, João Rodrigues, disse que a Administração Municipal contratou a pesquisa para avaliar se as medidas adotadas funcionavam ou não.

“Agora nós temos prova de que nós agimos corretamente. Tivemos uma diferença de 240% a menos de óbitos nos tratados, em relação a quem não fez nada. Se não tivéssemos tratado quem sabe teríamos passado de mil óbitos na cidade, que foi uma das mais atingidas pela Covid, depois de Manaus. Nós fizemos o que podíamos, abrimos novos pontos de atendimento, hospital de campanha, contratamos profissionais, fizemos testagem em massa, disponibilizamos tratamento e aplicamos a vacina. Para quem quiser, nós temos dados para mostrar. É fato”, disse o prefeito.

Durante a reunião do Comitê Covid também foi apresentado um balanço das ações adotadas durante a pandemia, como a- Abertura do Centro Avançado de Atendimento Covid no Centro de Eventos, com 75 leitos de enfermaria e 20 semi-intensivos; o aumento de 35 para 108 leitos de UTI no HRO e 26 para 55 leitos de enfermaria no período mais crítico da doença, compra dezenas de milhares de testes rápidos; contratação de 150 profissionais de saúde, ações de fiscalização de aglomerações, mobilização de doações da sociedade e entidades empresariais, operação Lockdown Inverso e implantação do Vacimóvel.

Fonte: Assessoria/PMC

Sobre Daniella Schneider

Veja Também

Mutirão contra a Dengue realizou 829 visitas no bairro Cristo Rei

A Vigilância em Saúde Ambiental reforçou suas ações devido ao aumento de casos de Dengue ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.